BEATLES PARA QUEM NÃO GOSTA DOS BESOUROS

Por: Amanda Cipullo

Enquanto digito, tento desviar da saraivada de balas que me atingem. Meu pai já dizia: “nunca diga em voz alta, podem responder com tiros”. Respeitei essa regra durante muito tempo, até que comecei, timidamente, dizer que eu não era exatamente uma fã, e acabei achando outros “não-fãs”. Alguns radicais, outros indiferentes e, também, aqueles com argumentos precisos e bem definidos para não gostarem. A verdade, no final das contas, é que gosto é que nem aquele orifício que vocês sabem qual é: cada um tem o seu; e não curtir algo que todos dizem ser imprescindível, não é crime. Você nem precisa de motivos para isso. No entanto, que não nos enganemos: existe música boa, existe música ruim, e existem aqueles que acabam ficando acima do bem e do mal, em razão de sua importância histórica. Assim são os Beatles, não adianta.

Gosto de pensar que a história do Rock n’Roll é a história de quem ouve Rock n’Roll. E, se pedras que rolam não criam limo, devemos admitir, também, que os quatro besouros tiveram um papel importante para tudo o que veio depois, seja direta ou indiretamente. Amadureceram e deixaram o status histérico de “banda adolescente”, para fazerem som de “gente grande”. Nunca foi a minha pegada, mas é burrice dizer que não fizeram belas canções.

Esse é o depoimento de  alguém que acha John Lennon um pouco chato e Paul McCartney meio enjoativo e, ainda assim, tem “live and let die” tatuado nas costas. Essas são as palavras de quem nunca ligou muito pro Ringo (alguém liga? Alou, Ringo Star?), mas acha o George Harrison incrível – sempre achei que fosse o melhor Beatle. E, bem, para não dizer que não falei das flores, e do que não ouço usualmente, resolvi listar as 10 músicas que até os não-fãs de Beatle devem admitir: são boas!

1) While My Guitar Gently Weeps
Composição de George Harrison. Sempre achei essa música absolutamente linda. A guitarra que gentilmente chora é uma metáfora singela para vida de músico. Enquanto o mundo desmorona, ela ainda choraminga.

2) Something 
Uma das canções mais regravadas na história da música, inclusive pelo ilustríssimo Frank Sinatra, que dizia ser a mais bela composição de Paul e Lennon. O que o velho Sinatra não sabia, é que a música foi composta por Harrison (tá vendo como ele era o bonzão da galera). Nela, George declara seu amor, da maneira mais fofinha e romântica, para sua então mulher Pattie Boyd, que anos depois foi homenageada em outra música: Layla, de Eric Clapton. Sim, Pattie também teve um caso com Clapton, mas, ao contrário do que muita gente pensa, nessa história George não era o “coitado trocado”. Bem, mas outro dia falamos disso… O que importa é que, certamente, se você algum dia já amou alguém as palavras “Something in the way she moves
Attracts me like no other lover”, já fizeram muito sentido.

Aliás, a própria Pattie disse, certa vez, que de todas a versões, sua preferida era a que George tocava, na cozinha da casa em que moravam. E quem não iria gostar de uma homenagem dessa?

3) Come Together
Particularmente, prefiro a versão do Aerosmith à original, mas isso não tira o mérito dos verdadeiros autores. E, bem, se em algum momento você quiser fazer um strip e/ou criar um clima, essa pode ser uma boa sugestão de trilha sonora.

4) Julia
A relação conturbada de Lennon com sua mãe poderia ser alvo de estudo na psicanálise, inclusive, há quem diga que existe uma transferencia brutal desse amor filial para sua última mulher, Yoko Ono (talvez uma das criaturas mais detestadas do rock, sempre acusada de ter sido o pivô da separação dos Beatles, apesar de nós sabermos que não foi bem assim). Enfim, complexos de Édipo à parte, essa é uma bela canção. Letra simples e suave, que faz de Julia sua mãe e, também, outras mulheres.

5) In My Life 
Adoro a gravação que Ozzy Osbourne fez dessa música e, talvez por isso,  goste tanto dela.
In My Life fala sobre voltar às raízes. Tudo o que ficou no passado, mas ainda pauta o presente. Alguns lugares mudam, outros nem tanto, mas as lembranças continuam lá.
E não é assim com grande parte das coisas da vida?

6) Let it Be
A vez de McCartney homenagear a mãe. Segundo ele, a música foi composta após um sonho com a falecida progenitora. Como todos sabem, as intriguinhas entre Paul e John eram frequentes e, parece que seu amigo Lennon ficou meio doído com o sucesso da canção. Mimimis e comparações à parte, deve-se dizer que a letra é lindíssima e, bem, essa o pequeno John teve de amargar.

7) Yesterday
Existem composições que demoram anos para ficaram prontas, mas também há aquelas que saem de primeira. Esse foi o caso de Yesterday que, segundo McCartney, “saiu” tão fácil, que até o fez pensar que poderia ser um plágio inconsciente. A curiosidade há respeito dela é que anos antes, Paul havia sido chamado de insensível durante um término de namoro. Certo dia, tempos depois, parece que o “besouro metido” resolveu dar um telefonema para a ex, dizendo-lhe: “lembra que você disse que eu não tinha sentimentos? Pois bem, minha filha, liga a tevê e ouve essa agora!”.

É, não da para negar, ele sabe ser sensível também.

8) Twist and Shout
Vem cá, fala a verdade! Você nunca dançou isso em uma festa de formatura, casamento ou baile da saudade? Se a resposta for não, dê um play agora. Se a resposta for sim, então você entende porque ela está nessa lista. Sem mais.

9) Blackbird
Aqui não falamos de fofuras. Blackbird era um termo pejorativo que algumas pessoas usavam para referirem-se aos negros. A canção retrata a segregação racial, e faz isso de uma forma bem sutil e bonita:

“Blackbird singing in the dead of night
Take these broken wings and learn to fly
All your life
You were only waiting for this moment to arise”

Okay, Paul, você venceu. Tu é sim um cara sensível!

10) Strawberry Fields Forever
Ouvir essa canção é como abrir uma caixinha de lembranças. Costumo dizer que a melhor forma biografia de um artista/compositor é por meio da compreensão das letras escritas por ele, e acho que Lennon sabia disso!

 Strawberry Fields era um abrigo para crianças, que ficava na cidade de Liverpool, perto da casa de John. É possível que essa referência não seja só a de “um lugar da infância”, mas também uma forma de Lennon expressar a constante sensação de desamparo por conta da perda prematura da mãe e dos anos afastado do pai. Na letra, tem-se a impressão de que tudo é um sonho, e que talvez o autor tenha criado um universo fantasioso para fugir da realidade:

“Always, no sometimes, think it’s me
But you know I know when it’s a dream
I think I know I mean a yes
But it’s all wrong
That is I think I disagree”

Ainda assim, mesmo sabendo que as verdadeiras lembranças não eram tão doces assim, ele finaliza:

“Let me take you down
‘Cause I’m going to strawberry fields
Nothing is real
And nothing to get hung about
Strawberry fields forever” 

É, parece que algumas vezes estamos fadados a cairmos sempre nos mesmos buracos emocionais. Algumas marcas permanecem, não tem jeito.

Finalizada a lista,  preciso dizer:  isso aqui são apenas minhas impressões pessoais. Tudo bem se você discordar, não vou responder com bombas e balas.

Sobre a autora:

Amanda Cipullo
11760115_10203186896352189_9001298901733721022_n
Editora de (e do) Casos, formada em publicidade. Jornalista por acaso; atriz e escritora por paixão.
Acredita que pedras que rolam não criam limo, e é esse tipo de história que relata por aqui.

Anúncios

2 comentários Adicione o seu

  1. Omar disse:

    …”aqueles com argumentos precisos e bem definidos para não gostarem.” Kkkkkkkkkkkkkkkk, eu quero ver esses “argumentos precisos e bem definidos” sinceramente… (Beatles é uma daquelas “coisas” que não foram feitas pra mentes convencionais)… 😉

    Curtir

  2. Ameth disse:

    10 músicas??? Quem tiver mínimo de noção em música e conhecer bem o trabalho do quarteto (pelo visto aqui nem tanto, pra falar do Ringo) sabe que de todos os discos lançados vc pode muito bem aproveitar 99,9 das músicas, desde a música mais “bobinha” até a mais “fodástica”. Peguem álbuns como “Revolver”, “Rubber Soul”, “Abbey Road”, “Sgt Pepper’s LHCB” e por ai vai e “sintam” o que é evolução musical, numa época em que se gravava com apenas 4 canais, por favor…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s