37 ANOS DEPOIS, BANDA MANDE IN BRAZIL LANÇA DISCO PROIBIDO DURANTE A DITADURA

Massacre: o disco proibido

Casos de Rock n’Roll estão intrinsicamente ligados a história, não tem como escapar!  E, por falar em história, tanto a das aulas do colégio, quanto a das ruas, olha só que loucura: em um tempo não muito distante, discos, shows e apresentações artísticas, eram constantemente censurados pela ditadura militar, vigente entre os anos de 1964 e 1985. Desse período conturbado da história brasileira, a produção cultural foi uma das áreas mais afetadas. Fazer arte não era fácil e isso, certamente, fez com que muita coisas não chegassem até nós. Ainda assim, muitos insistiam em florescer e produzir durante os anos de chumbo, como é o caso da Made in Brazil, ícone forte do Rock Nacional, que teve o disco Massacre, gravado em no ano de1977, proibido pela censura do regime militar. No entanto, agora, 37 anos depois,  finalmente a histórica banda de rock, completa sua discografia com o lançamento do polêmico álbum. Em seu formato original, vinil, o disco acaba de ser lançado pela Mafer Records, sob licença da Made in Brazil Records.

Disco-Massacre-do-Made-in-Brazil-censurado-pelo-regime-militar-é-finalmente-lançado-em-vinil1

 Show Massacre – Remontagem atual/2015

Aproveitando o recente (re)lançamento do disco Massacre, a Made in Brazil volta aos palcos paulistas, no dia 15 de maio de 2015, sexta, às 21h30, na Comedoria do SESC Belenzinho, localizado na Rua Padre Adelino, nº 1000 – Belenzinho, Zona Leste da capital de São Paulo.

Nessa remontagem do Show “Massacre”, o Made in Brazil executará todas as 10 faixas do vinil original, entre elas: “Massacre” (música que deu título ao disco e show); os Hits “Paulicéia Desvairada” e “Uma Banda Made in Brazil”, além de: “Amanhã é um Novo Dia”, “É Soda, É Foda!”, “Você Me Machucou “, entre outras .

Subindo ao palco com sua formação atual:
Oswaldo “Rock” Vecchione : Vocal, baixo, guitarra, violão e gaita
Celso “Kim” Vecchione: Guitarra, violão, baixo, teclado e back vocals
OCTAVIO LOPEZ Garcia “BANGLA”: Sax
RICK “MONSTRINHO” VECCHIONE: Bateria
GUILHERME “ZIGGY” MENDONÇA: Guitarra, violão
WANDERLEY ISSA MAFRA “WANDER”: Teclados
IVANI “JANIS” VENANCIO: Backing vocals
EDNEIA CASSILHAS “NÉIA”: Backing vocals

O show ainda contará com a participação dos convidados:
RUBENS “RUBÃO” NARDO – Vocal (participou das gravações do disco e da tour de lançamento em 1977)
ANTONIO M. MEDEIROS “TONY BABALU” – guitarra (participou das gravações do disco e da tour de lançamento, em 1977)
JOSÉ FRANKLIN PAOLILLO – “FRANKLIN” – Bateria (participou das gravações do disco e da tour de lançamento, em 1977)

Participação Especial:
DINO LINARDI – Vocal (Cantor da Banda co-irmã ‘Golpe de Estado’) cantará as músicas do repertório que Percy Weiss iria fazer nesse show.

Entenda a importância histórica e musical desse relançamento: O Show original/1977

Nos idos de 1977, o show de estréia do disco Massacre, realizado no antigo Teatro Aquários, localizado no bairro do Bixiga, também foi vetado.

O teatro foi lacrado e os equipamentos da banda confiscados. Após dias de tensas negociações, que incluíram um show privado para apenas 3 censores, em um auditório com capacidade para 1200 espectadores, o show foi liberado sob várias condições, dentre elas: a troca de nove músicas e mudanças drásticas no cenário e divulgação.

O famoso ‘tanque de guerra’, que abrigava a bateria da banda, teve sua cor original (azul royal com estrelas brancas) alterada para branca com estrelas azuis, e seu canhão diminuído para 1,20 m (o original tinha 2,30 m), sendo ainda proibido o uso de qualquer equipamento que produzisse fumaça, fogos de artifício e gelo seco (que seria expelido pelo canhão).

Os cartazes de divulgação, que exibiam o tanque de guerra, também foram proibidos em todo território nacional. Curiosamente, a idéia do tanque de guerra como concepção de cenário, usado no palco para sustentar a bateria e o baterista da banda, foi copiada, quatro anos depois, pela banda norte-americana Kiss, que já havia usado “coincidentemente” o mesmo tipo de maquiagem circense que a Made in Brazil usava desde os idos de 1969.

TRIBUTO A PERCY WEISS

Percy Weiss, foi um dos vocalistas do disco original, falecido num trágico acidente, recentemente. Será um tributo nosso; de Oswaldo Vecchione e Celso Kim Vecchione, como homenagem e carinho ao querido irmão e integrante do Made por tantos anos. Percy foi grande vocalista, que sempre nos honrou , nessa estrada do Rock n’ Roll, brasileiro.

SERVIÇO:
Dia: 15 de Maio de 2015
Local: SESC BELENZINHO / Comedoria
Endereço: Rua Padre Adelino, nº 1000 – Belenzinho /SP/Capital
Horário: 21h30
Ingressos: R$ 20,00 (inteira) – R$ 10,00 (meia) – R$ 6,00 (Comerciário c/ carteirinha)
Artista / Atração: BANDA MADE IN BRAZIL
Show: “Massacre” (re-montagem do show original de 1977)
Evento: Show do disco/ Lançamento do Vinil Massacre e da Revista & Pôster do Made in Brazil – 2015.
SESC: Informações (11) 2076-9700

INFORMAÇÕES E CONTATOS:

R.O.C PRODUÇÕES – (11) 3602.0660 / OI: (11) 96744.2593 / bandamadeinbrazil@hotmail.com

OSWALDO VECCHIONE JR. – Produtor/ Manager / oswaldovecchione@gmail.com

Divulgação: VALÉRIA GASPAR /Jornalista / vgimprensa@gmail.com

Anúncios

2 comentários Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s